facebook

Clube Atlântico de Esgrima

Logotipo
Analisando as sondagens. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
A ltima sondagem que lanmos na nossa pgina rodeava-se de um particular interesse, pelo menos para mim.
Mais do que reflectir sobre o valor da Esgrima Portuguesa nos dias de hoje tratava-se de ver qual a percepo que as outras pessoas tm desse mesmo valor.
Quem me conhece sabe que tenho alguma averso conduo desportiva com base nos nmeros, pois considero-os meros indicadores. A Frana jogou a prova de Espada dos jogos Olmpicos de Atlanta sem o n1 do Ranking Mundial e no foi menos forte, a Hngara Nagy revalidou o Titulo Olmpico em Atenas mesmo aps uma poca sem nenhum resultado de destaque, o Suo Marcel Fisher sagrou-se Campeo Olmpico em 2004 tendo apenas efectuado a sua qualificao para os Jogos na ltima fase de repescagem onde a 20 segundos do final perdia o jogo decisivo por 11/13. No entanto, reconheo que so os resultados que fazem a Histria e a sua consistncia que dita o poder desportivo das diferentes Naes.
O equilbrio entre quem considera os resultados Portugueses nas ltimas duas grandes competies - Mundiais de Seniores e Europeus de Juniores - inferiores s suas possibilidades (50%) e dentro das suas possibilidades (50%) no mnimo interessante.
Para responder pergunta colocada necessrio saber onde est a fasquia. Qual o rendimento esperado e principalmente quais os factores que nos levam a criar determinadas expectativas.
comum no nosso meio o seguinte tipo de expresso:
"Fui eliminado na Poule mas esta era muito forte. Tinha um Francs, um Alemo, um Italiano, um Checo que no jogava nada mal e um Malts muito fraco a quem dei uma zerada".
Quer dizer ento que, na nossa cabea, existem os fortes (Franceses, Alemes, Italianos e mais duas ou trs superpotncias), existem meia dzia de artistas salteados por Pases de menor expresso e existem os Fracos. E ns? Onde nos colocamos? Bom, por esta anlise, somos logo a seguir s superpotncias, aceitando a sua superioridade e permitindo apenas alguns desaires face aos tais artistas "avulso".
Os longos anos em que tive possibilidade de jogar por esse Mundo fora rapidamente me ensinaram que um indivduo no um bom jogador pelo simples facto de nascer em Frana ou Itlia e muito menos est condenado ao fracasso quando desperta para a vida numa posio geogrfica "esgrimisticamente" mais desfavorecida.
Conheo bem a maior parte dos Atletas que constituram as nossas seleces nas competies em questo. No tenho dvidas do seu valor e muito menos do seu empenho e determinao para obter o melhor resultado possvel. Mas estaria a mentir se dissesse que, de uma forma global, no considerei estes resultados como dentro das possibilidades actuais. E fao-o publicamente pelo respeito que me merece o nvel que alguns desses mesmos atletas j tiveram e o talento que os mais jovens demonstram e que, com muito trabalho e dedicao, seguramente levaro a Esgrima Nacional bem mais longe.
Na minha opinio, pode-se treinar de muitas maneiras, jogar com os mais variados sistemas tcticos, competir aqui ou ali. O que no se pode continuar a apagar a iluso de quem tem determinao e talento, pelo simples facto de, estando ainda no incio do percurso, ter a obrigatoriedade de produzir uma realidade que provavelmente... est mal aferida.
Os atletas da equipa Espanhola de Espada da dcada de 90 fizeram todos finais de Taas do Mundo, mas at ao Titulo Mundial de Pereira em 1989 os seus resultados eram bem inferiores. Provavelmente eles at j estavam preparados para render, s foi necessrio... dar-lhes "espao".

Comentarios (0)

Escreva seu Comentario

Voce precisa estar logado para postar um comentario. Por favor registre-se se caso nao tenha uma conta

busy

Desenvolvimento de sites por Made2Web
® 2008 - Clube Atlântico de Esgrima
Todos os Direitos Reservados